Menu


Ajude a Laurinha!

Causa criada por Luana Fantinel

  • R$102
    Ajudados de R$2.000
  • 2
    Doações
  • 0
    Seg restantes
5 %
O objetivo dessa causa foi atingido parcialmente.
Causa criada por Luana Fantinel
1 causas, 0 contribuições
Ajude a Laurinha!

Vou contar um pouco a história da minha PEQUENA GRANDE GUERREIRA LAURINHA, para quem não sabe.

Muitos me perguntam quando ela vai sair do hospital, se tem alguma previsão...

Então, não temos... São poucas as pessoas que sabiam do diagnóstico da Laurinha. Poucos amigos que acompanham desde o diagnóstico, que me dado durante minha gestação, aos quatro meses. quando Fiz uma eco morfológica, aquela em que vemos se os órgãos estão todos formadinhos, e onde descobrimos com certeza que era uma menina, Laurinha.

Nesse dia parece que o mundo se abriu diante de mim... o médico me disse "tem alguém com algum problema na família?" Respondi que não, mas o que é Doutor? Ele falou "Aqui pela eco tô vendo que os bracinhos e perninhas estão com um expressivo encurtamento nos membros superiores e inferiores." Aí perguntei, "mas e o resto Doutor?" Ele disse, "Tudo formadinho... Vamos marcar para outro dia para refazer porquê ela está de bruços."

Saímos dali arrasados, mas tudo bem, marcamos para próxima semana onde refiz a eco onde realmente dava o encurtamento. Eu estava com + OU - 21 semanas e o medico me disse a Laura tem o tamanho de um bebe de 14 semanas , tudo bem falei para meu marido Flamarion: "Ai amor ela vai ser como tu, baixinha" (quem conhece sabe que o Flamarion e baixinho). Por fim acreditamos nessa hipótese e levei a eco para meu obstetra onde o laudo dizia suspeita de displasia óssea.

Meu médico pediu mais alguns exames, fiz e cheguei para minha consulta normal do mês. Ele me disse: "Miriam vou te encaminhar para um Hospital de alta complexidade, você tem uma gravidez de alto risco e vai para a Santa Casa de Misericórdia. Fiquei desesperada, saí de lá e para meu marido e chorava desesperada, mas tinha dentro de mim e no meu coração que tudo iria ficar bem como está agora, graças ao nosso bom Deus. Então marquei a consulta sem indicação sem saber o medico mas tinha em mim quero uma médica. Marquei com uma obstetra maravilhosa, Dr. Taiara Pigato, que me deu toda atenção, dedicação e conforto que precisei. Fui na consulta nervosa e apreensiva, o Flamarion foi comigo, levei todos os exames e contei para ela ela, que olhou pra nós com atenção, e escutou o que falávamos e me tranquilizou, me pediu mais uma eco. Eu já estava com 6 meses, e nesta eco constou que realmente havia o encurtamento dos membros, onde até então a suspeita era displasia óssea.

Passei fazer a eco em todos os meses e no resto da minha gestação tudo correu bem, pressão, tudo normal. Com 7 meses fiz outra e ai foi onde a medica da eco falou , para mim e o Flamarion: "não tenho boa noticias". Foi aí que meu coração parecia sair pela boca. Ela disse que o tórax dela não se desenvolveu, "os pulmões estão apertadinhos e não tem espaço para expandir". Levei um choque, comecei a chorar e o Flamarion também. Quando pegamos o laudo da eco e fomos ler ai foi o desespero dizia... "Displasia óssea letal". Ficamos sem chão, mas uma força muito grande trouxe uma luz imensa e nosso coração falava que ela iria viver. Bom continuei indo nas consultas no pré natal normal, minha médica viu que na minha eco dizia que eu estava com o liquido amniótico muito alto (43% acima do normal) e pediu que eu mantivesse repouso absoluto pois minha bolsa podia romper a qualquer momento.

Eu estava com 31 semanas, me afastei do trabalho e passei a ficar em casa, ela me deu umas injeções de corticoides para os pulmões da LAURINHA amadurecer, se por algum momento a bolsa se rompesse. Foram dias difíceis, de muita dor e tristeza até então os meus outros filhos, Lucas e Wiliam não sabiam de nada, não conseguíamos falar para eles, chorávamos muito, mas ao mesmo tempo em que chorava tinha uma força enorme e uma esperança que minha filha viria ao mundo. Poucas amigas minhas sabiam, mas estavam ali do nosso lado o tempo todo nos amparando e dando força. Isso foi essencial e me dava força e esperança, para mim e para minha Laurinha.

Com 35 semanas minha bolsa rompeu e aí foi aquela tensão: "e agora?" fomos pra o hospital onde chegamos e minha obstetra estava de plantão me examinou e disse vamos para a cesária vou preparar tudo, a UTI neonatal para a Laurinha. Fui nervosa mas pedindo a Deus pela vida da minha filha para ela viver e ficar com nós, meu marido foi junto. Quando nasceu ela deu dois chorinhos , eu pensei: "minha filha ta viva" chorei e chorei e meu coração dizia "ela vai viver, ela veio pra ficar. A médica chamou o Flamarion, eu não pude vê-la porque logo já foi entubada, quando ele voltou chorava desesperadamente eu só perguntei se ela estava bem e ele disse: "sim, ela é linda...".

Depois desse dia começou nossa luta diária, minha filha foi para UTI neo natal do hospital sta clara, complexo da Santa Casa, por um mês e dezesseis dias. Começaram os exames , onde diagnosticaram uma síndrome muito rara que se chama síndrome de Jeune isso DTA distrofia do tórax asfixiante, o tórax não se desenvolve e comprime os pulmões, não tem espaço para expandir. Essa síndrome causa outros problemas que na Laurinha não foram encontrados, também causa o encurtamento dos bracinhos e perninhas, que isso para nós não temos problema, ela é linda bem pitoca perfeitinha e maravilhosa. Os médicos disseram que e um nanismo raro, não tem explicação não tem nenhum caso na nossa família, então ela está sendo acompanhada pela genética onde a médica disse que pode ter sido uma mutação na junção dos cromossomas. Ainda temos que fazer um exame que dará o diagnóstico preciso como aconteceu e um exame autossômico o estudo da células. Para nós não importa como aconteceu.

Ficamos no aguardo do medico cirurgião toráxico da avaliação da Laurinha , foram dias difíceis de muita dor e angústia mas de muita esperança, pois de ver seu rostinho, sua luta para viver e querer ficar com nós nos fortalecemos, e a esperança as orações apoio dos amigos, fez a gente seguir lutando com ela. Chegou o dia, o médico avaliou e disse que teria que fazer uma cirurgia de emergência para expandir o tórax o pulmão do lado esquerdo, pois estava fechado e não entrava ar, e o direito estava quase só uma pequena passagem. Rezamos e rezamos e pedimos a deus para ele fazer o melhor e ele fez. Minha pequena grande guerreira fez a cirurgia no dia 18 de outubro onde colocou (3) plaquinhas de titâneo nas costelinhas e o tórax expandiu e como disse o médico. Foi um sucesso, esse anjo iluminado que deus mandou Dr Cristiano, onde lutou e luta pela vida da minha Guerreira.

Ela voltou para a UTI neo natal do Santa Clara, onde ficou mais 16 dias até ter um leito da UTI do hospital Santo Antonio, onde lá foi cuidada com muito amor e todo carinho pelos médicos, enfermeiras e técnicos, anjos iluminados que devo todo o meu respeito e carinho, depois com 1 mês e dezesseis dias foi transferida para a UTI do Hospital Santo Antonio onde está sendo cuidada por médicos (a) e uma grande equipe de técnicas e enfermeiras, a quem devo todo meu respeito e carinho, a Laurinha lutando se recuperando firme, mas continuava entubada, respirando com ajuda do respirador e se recuperou da cirurgia. Fomos para a próxima cirurgia, do lado direito, 2 plaquinhas de titâneo nas costelinhas. Novamente a cirurgia foi um sucesso e a Laurinha firme e forte se recuperando, mas entubada respirando com ajuda do respirador. Depois de 2 semanas a traqueosmotomia, então a felicidade de poder ver a boquinha dela e ver ela poder chupar uma chupeta, que isso só aconteceu um dia porque não quis mais pegar a chupeta, foi a felicidade de poder ver a Laurinha sem aquele tubo na boca.

Ela respira com ajuda do respirador, não só oxigênio mas ventilação mecânica. Isso faz o que os pulmões dela não consigam, isso antes não conseguiam nada agora, consegue, mas não o suficiente por isso a ajuda do respirador a ventilação faz o que a gente faz inspirar e expirar. Agora a luta é para diminuir os parâmetros do respirador, e com a graça deus aos poucos ela vai conseguir . Vivemos um dia de cada vez com a certeza na vitória da Laurinha conseguir porque ela é uma Guerreira ela é forte e Lutadora e veio para vencer. Depois da traqueo em fevereiro passou por mais uma cirurgia no tórax frontal, onde o Dr Cristiano retirou todas as cartilagens das costelinhas para os pulmão expandirem melhor. Para quem nos conhece de verdade sabe que nós não somos e não gostamos de nos queixar, lamentar e nunca, jamais questionamos a Deus. Como falamos Deus dá filhos especias para pais especiais e nos consideramos honrados da Laurinha ter escolhido vir na nossa família porque ela sabia do nosso amor imenso e incondicional. Ela veio para nos ensinar muita coisa.

Já fazem 7 meses que ela está no Hospital, e nós juntos lado a lado dia após dia, não sabemos quando ela vai vir para casa , mas sabemos que vai vir e vai superar tudo com a graça de deus. Lutamos juntos a cada dia é uma vitória.

NOSSA LAURINHA É UMA PEQUENA GRANDE GUERREIRA. OBRIGADA A TODOS NOSSOS AMIGOS(AS) por estar ao nosso lado. Aos nossos filhos Lucas, Wilian e Felipe que também são nossas vidas.

Página de comunidade no Facebook:
https://www.facebook.com/pages/Laurinha-Pequena-Grande-Guerreira/234250976775572